Sindiodonto e vereador padre Paulo fazem reflexão sobre a profissão do cirurgião-dentista

Apesar dos avanços da crescente importância social, os cirurgiões-dentistas e suas equipes enfrentam desafios significativos


Imagem: Agência Caririensi

No dia 25 de outubro, comemora-se o Dia do Cirurgião-Dentista no Brasil, uma data que remonta à criação dos primeiros cursos de graduação em Odontologia, em 1884, nos estados da Bahia e do Rio de Janeiro. Desde então, a Saúde Bucal tem ganhado uma crescente importância, tanto na esfera pública quanto privada, tornando-se um pilar fundamental da saúde e da qualidade de vida das pessoas. É o que diz a nota lançada pela diretoria do Sindiodonto Ceará.

No pronunciamento na Câmara de Vereadores, Padre Paulo expôs: “A carta do sidiodonto mostrando em todo o estado do Ceará o salário precário, ambiente de trabalho precário, uma demanda exaustiva e uma falta de atenção, carinho e responsabilidade com a classe odontológica. Juazeiro do Norte precisam de mais cientistas, precisam de mais consultórios, precisam de mais equipamentos, precisam de mais insumos para que a população ao procurar uma unidade de saúde possa ter o seu atendimento prestado com qualidade. Os profissionais que aí estão fazem milagres para atender a sociedade de Juazeiro, fazem malabarismo para prestar um atendimento de qualidade.“

O Código de Ética Odontológico, em seu artigo 2º, estabelece que a Odontologia é uma profissão dedicada ao benefício da saúde humana, da coletividade e do meio ambiente, sem discriminação de qualquer forma ou pretexto. Nesse contexto, os cirurgiões-dentistas e suas equipes assumem o compromisso de desempenhar um papel indispensável no desenvolvimento da sociedade.

No Brasil, a Saúde Bucal alcançou notoriedade com o Programa Brasil Sorridente, um marco que deu início ao processo de democratização do acesso aos cuidados odontológicos para a população brasileira. Recentemente, a Lei n° 14.572, de 8 de maio de 2023, incluiu na lei orgânica da Saúde a Política Nacional de Saúde Bucal, buscando ampliar e qualificar a atenção à saúde bucal por meio do Sistema Único de Saúde (SUS), fundamental para reduzir o sofrimento da população.

Apesar dos avanços na Odontologia e de sua crescente importância social, os cirurgiões-dentistas e suas equipes enfrentam desafios significativos. Os baixos salários, a sobrecarga de trabalho e a precarização de suas condições de trabalho têm prejudicado a qualidade de vida desses profissionais. A ausência de Planos de Cargos, Carreiras e Salários (PCCS) em muitos municípios e o não cumprimento da Lei n° 3.999/61, que determina um salário justo para 20 horas semanais de trabalho, cerceiam direitos e reivindicações históricas da categoria, impactando negativamente a saúde física e mental dos profissionais.

O grande número de cursos de graduação em Odontologia, desproporcional às necessidades epidemiológicas da população, cria um excedente de profissionais recém-formados que, por necessidade, aceitam trabalhos precários em clínicas privadas, sujeitando-se a cargas horárias excessivas sob pressões produtivas e sem vínculos trabalhistas reconhecidos. Além disso, a maioria dos convênios odontológicos não remunera adequadamente os cirurgiões-dentistas, não condizendo com os anos de estudo e aperfeiçoamento profissional necessários para exercer a Odontologia com ética e excelência.

Neste Dia do Cirurgião-Dentista, a profissão enfrenta desafios consideráveis, representados pelo slogan da campanha promovida pelo Sindiodonto neste ano: “Nem feliz, nem sorridente: o dentista está precarizado, insatisfeito e descontente!”.

Por: Redação Caririensi

Gostou da matéria, Compartilhe!

Scroll to Top